quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

VIDA DE OURO

"Jesus, não sei onde estou...não sei se estou numa vida passada, se noutra dimensão...se na minha vida em luz..."

Sente.

Até que percebi que estava numa vida terrena. Uma vida passada. O que me confundiu é que estava num cenário natural com muita luz dourada...um pôr-do sol dourado...parecia ser no Oriente...muita luz...e muito dourada. Uma imagem belíssima.

Eu estava a dançar. Dançava para alguém que estava sentado no chão a olhar para mim.

Não tive dúvidas que amava a pessoa para quem dançava e que era amada por ela. E que era um amor profundo.

É a tua vida de ouro. Mostrar-te esta tua vida passada é uma prenda minha. Estás na tua vida de ouro.

Percebo porque tudo parecia dourado...e a sensação era de plenitude. Amor absoluto e incondicional. Amor correspondido. Felicidade total.

Gradualmente fui saindo dessa vida. Foi-se desvanecendo. Senti-me a pairar. O tempo passava...Como se eu estivesse por cima do tempo...E continuava a pairar. Num lugar indefenido. E nada acontecia. Fiquei ali.

"Vou ficar aqui a pairar?" estava intrigada.

E então Ele lembrou-me uma frase de há umas semanas, ouvida através de uma paciente que estava a fazer terapia e a receber informação: "Quando vibras pelo verdadeiro Amor, estar no Céu ou estar na Terra é igual."

Repara como não sabias se estavas na Terra ou na Luz. Estavas a vibrar pelo verdadeiro Amor.

Realmente, eu não sabia. Inicialmente não consegui distinguir. Era tão bom, tão pleno, que não parecia terreno...

Jesus disse-me ainda: Por causa desta vida é que o olhar é de tudo, o mais importante para ti...E por causa desta vida é que tu gostas tanto de dançar...e dançar é tão importante para ti.

De facto, Jesus já me disse duas vezes, através da Alexandra, que preciso muito de dançar. Que dançar me faz muito bem porque estimula o melhor que há em mim. E dessa duas vezes, a última foi há muito pouco tempo. E disse ainda: Dança até não poderes mais...

Ando há dias com muitos textos para escrever, mas quando me sento ao computador diz-me: Não. Não escrevas já.

Era para ter escrito sobre a minha terra Natal---sobre tantos acontecimentos...e eu aguardava. Cheguei a pensar que tivesse a ver com o facto de eu não conseguir escrever tudo o que Ele me diz. De tudo o que eu ecrevo ser pouco mais de uma sombra de tudo o que Ele me diz. Só escrevo o que não tenho dúvidas que é para escrever. O resto guardo para mim.

Afinal não era eu que aguardava, era uma prenda que me aguardava a mim. Uma prenda que me encheu de felicidade. E que me vai permitir escrever os textos que era para ter escrito, porque me fez entender tudo melhor.

Obrigada, Jesus!

1 comentário:

Lurdes disse...

Cada vez o teu sentir é mais profundo, sente-se tanto quando se lê os teus textos. Testemunhos literários de uma vida cheia de experiências ditadas por Jesus, transmitidas até ao ínfimo sentir... Interessante porque muitas vezes quando leio, nem sei em que estado estou, porque me transcendo, e sinto-me entre as varias dimensões.
Caminhamos e dançamos ao ritmo da tua dança maravilhosa de palavras.
Que prenda fantastica será essa que tantas alegrias nos irá dar... De certo é uma dadiva lá de cima...
Um beijo desta tua fã e amiga
Lurdes Jóia