terça-feira, 28 de agosto de 2012

O COMPROMISSO

"Estás pronta para morrer na cruz?"

(...)

Todo o meu organismo reagiu a esta pergunta. Não só o coração, mas também o estômago e todos os outros orgãos.

E lembrei-me do meu compromisso. O compromisso que assumi com Jesus, há alguns anos. Em que escolhi percorrer o meu caminho, fazer o processo evolutivo, em que lhe pedi orientação e protecção. E entreguei-Lhe a minha vida. Aceitando o que quer que isso implicasse.

Entreguei-me em consciência. Sabia que isso implicava aceitar o que ainda não tinha conseguido aceitar. Sabia que isso implicava conhecer-me até ao mais fundo de mim, ao mais negro de mim. Sabia que isso implicava enfrentar o que nunca consegui enfrentar. O que nunca aceitei enfrentar. O número e grau de dificuldade de desafios é proporcional às vezes e à forma com que já nos recusamos a passar por eles. Sabia que isso implicava render-me áquilo a que resisti durante séculos.

Sabia que isso implicava ser fiel a mim própria e áquilo em que acreditava.

Sabia que isso podia implicar perder tudo. Passar por tudo. E aceitar. Só assim me libertaria do que me prende, do que me trava, e avançaria.

Foi isso que Ele nos veio ensinar. A sermos fiéis a nós próprios e áquilo em que acreditamos, tenha isso as consequências que tiver. Mesmo que seja morrer na cruz.

Os tempos são outros. E Ele voltou. Já não tem corpo, já não tem forma. É uma frequência de vibração. É um estado. É Luz. A Luz em que se transformou. Transcendeu-se. Evoluiu até patamares para nós ainda inalcançáveis.

Mas está cá para nos ajudar a fazer o que ainda não conseguimos.

Está cá para nos iluminar, amar e ajudar. Felizes os que acreditam. E eu passei tantos anos da minha vida a pedir para acreditar que, no momento próprio, e não quando eu quis, passei a acreditar. E porque acreditei, senti-O. E porque O senti ganhei coragem. E com Ele todos os desafios se enfrentam. E tudo se agradece. Porque o que sente depois de enfrentar um desafio é incomensurável. A transformação que se dá em nós e na nossa forma de viver é inexplicável. A confiança, a coragem e a alegria que se ganham são brutais.

Este mês tem sido especialmente difícil para mim. Estou de férias desde o dia 4 e passo os dias fechada em casa da minha Mãe, em Rebordosa, e quando saio é para ir com o meu filho ao hospital, que ainda está a recuperar da operação plástica que fez no início de Julho, e por isso ainda tem que ir ao hospital várias vezes por semana. E um dia, de repente, quando vinhamos de lá, comecei a sorrir. Sentia-me feliz por ter a presença de Jesus na minha vida. Por confiar. Por acreditar que apesar de não saber o motivo pelo qual a vida estava outra vez tão difícil, havia um motivo. Eu ainda não sabia qual era. Mas havia. E tinha ajuda para o enfrentar. E saber isso já era uma enorme felicidade.

Aos poucos fui percebendo o motivo. Ou melhor, os motivos.

E só hoje, ao 25º dia de férias é que me sinto realmente bem. Precisei de 25 dias. 25 dias para mudar. 25 dias para aprender a viver outra vez no desconforto. Só hoje, depois da meditação da manhã, é que me voltei a sentir feliz e confortável. As condições que me rodeiam são as mesmas. Eu é que mudei. Vejo tudo de outra maneira.

Em nenhuma praia paradisíaca, com nenhuma outra companhia eu teria recebido o que recebi nestas férias. De ninguém mais eu teria recebido o que recebi do meu filho. Mil abraços por dia, o sorriso mais lindo do mundo e as mais ternas declarações de amor. Em nenhum outro lugar que não fosse tão desconfortável, eu me teria proposto a meditar tanto e a sentir tanto a energia de Jesus. Em nenhum outro lugar eu me teria preparado tanto para prosseguir. Porque talvez em nenhum outro lugar eu me tivesse interiorizado tanto.

Ontem Jesus disse-me que este mês foi de treino intensivo. E disse-me porque é que há 6 dias atrás passei junto à Cambridge School, do Porto. Tinha 16 anos quando lá andei. E quando passei achei engraçado ver a rua de novo e o café Asa de Mosca, que ficava por baixo.

E ontem Jesus lembrou-me do curso intensivo que fiz lá. Para entrar no Instituto fazia-se um exame de avaliação que determinava o nível que estavamos aptos a frequentar. Entrei para o 3º ano de Inglês, ao mesmo tempo que frequentava o 10º ano no liceu. No fim do ano lectivo propus-me fazer o 4º ano de Inglês nas férias,durante o mês de Agosto, em curso intensivo. E no fim desse curso de Verão o professor propôs-me fazer directamente o exame mais avançado por achar que eu não precisava de frequentar o último ano.

E Jesus falou-me nesse curso, para me dizer que na altura eu quis fazer o curso intensivo, apesar de ser férias, por gostar muito de Inglês. E que tive tão bom aproveitamento, praticamente fiz o curso todo num ano, exactamente por gostar tanto.

Mostrou-me que, quando confere com a minha energia, e me sinto motivada, eu me disponho a tudo.

E que nestas férias eu também fiz um curso intensivo. No que eu mais gosto. Meditação, conexão com Jesus, conexão com outros níveis de vibração, e a desfrutar do meu filho. E que todo o desconforto que me rodeou me empurrou para isso mesmo. Até o desconforto de não saber porque é eu tinha que estar nesse desconforto.

E hoje, ao voltar aos momentos em que assumi e reiterei o meu compromisso com Jesus, agradeci por tudo. Porque foram e são muito maiores as bençãos que os desafios. Que sendo difíceis, nos libertam do que é realmente difícil na nossa vida: as amarras e os bloqueios. E nos abrem para o amor. E ao AMOR...nada se compara. Nada.

8 comentários:

Carlinha disse...

"E ao AMOR...nada se compara. Nada"

É um ânimo ver que o compromisso que assumiste com Jesus, contigo e com o Céu se materializa dessa forma tão especial, embora às vezes tão difícil de entender, mas sempre mágica e luminosa...

Perceber que, apesar de não entendermos os meandros do caminho, ele nos leva sempre a um porto seguro...mais verdadeiro, mais nosso, mais feliz...é uma dádiva sem explicação...

E ver como reages às desventuras da vida, aos obstáculos que teimam em aparecer - apesar de tudo - é surpreendente...não porque seja diferente da reacção de cada um de nós, mas pq reages com consciência, com os pés assentes no chão e o coração gravado no céu! E isso faz-nos ver a vida tb de forma diferente...a tua força e a tua coragem voam até nós como se, afinal, tudo fosse tão estupidamente simples e surpreendentemente fácil de entender...

Desculpa-me o desabafo, mas não posso deixar de invejar a tua ligação com o Céu...é uma invejazinha saudável (se é que isso existe e eu acho q não...), mas acredita que não é por mal...

Se eu não tenho uma relação com Ele tão boa como a tua é pq não me esforço para isso...e ter esta consciência dói mto mais do que passar pela vida sem perceber nada do Céu...tu sabes...

Acho que já estive mais próxima desse compromisso do que agora...e dói saber que sou capaz (todos somos) e não faço nada para mudar...como se essa ligação um dia nos caísse do Céu, e qual passo de mágica, de repente fossemos comunicadores fiéis da essência que nos liga ao Universo...

Tu entregaste-te em consciência...apesar das possíveis consequências...eu por mais que racionalize, por mais que me foque...isso não dura mais de 2 ou 3 dias...

Eu acredito, sinto-o em mim e sei que, apesar de tudo, me apoia incondicionalmente, mas acho que é o medo de me enfrentar que me bloqueia...

Afinal, é bem mais confortável permanecer assim, sem medos, sem angústias, sem perguntas incómodas e por isso, sem respostas inconvenientes...

Apesar do anseio da minha alma, acho que ainda não me abri totalmente ao AMOR...àquele que liberta e nos faz avançar...e sou parva, pq sei que ao AMOR nada se compara...nada...

Beijinho de LUZ,
Carlinha

Olinda Cristina disse...

Carlinha, as tuas palavras comoveram-me muito. Estou impressionada com a tua sinceridade, e acredito que é dos factores fundamentais neste caminho: a sinceridade. Aliás, acredito que só haverá paz no mundo quando todos formos trasnparentes...nãos sei quantos milénios faltarão para isso ...:) e quanto à relação com o Céu e como Jesus, como digo neste texto, e já disse em anteriores, durante muitos anos eu queria acreditar mas não acreditava. Acreditava em Jesus, mas não acreditava que o contacto com Ele fosse possível. Tudo acontece quando tem de acontecer, no tempo próprio. E o que mais importa é a consciência. Um dia ainda havemos de conversar sobre isto tudo, porque tem muito que se lhe diga, gostava muito e fico à espera :)). Beijo enorme Carlinha

Carlinha disse...

Obrigada Olinda! Mas ambas sabemos que não há-de faltar assim tanto para nos tornarmos transparentes! ;DD

Acredito que um dia falemos disto e de muito mais, pessoalmente e sem medo do ridículo...Acho que aqui é que precisas de reservar um milénio para me contares este mundo e o outro! Quem sabe não é mais cedo do que imaginamos...

Sei que não há certos, nem errados, afinal tudo é caminho...na verdade, é como dizes: tudo acontece no momento próprio...só espero é que esse momento seja ainda nesta vida, para bafejar com a sorte as próximas que vierem! ;DD

Beijinho de LUZ!

Dicury disse...

oh olinda... =,)

obrigado por mais esta partilha.. Para além de toda a emoção que contém chama-me de certa forma a atenção para o meu compromisso para com a minha alma e em tentar manter um clima de amor, pelo menos em mim próprio...

A minha mensagem de luz desta semana é "Dois Caminhos", o que significa que muito brevemente terei de escolher um de dois caminhos completamente opostos e ambos perpendiculares ao caminho de agora...(será a minha cruz?aiai) terei de interiorizar e ir lá acima intuir o caminho de luz. E como tenho sido irresponsável, principalmente hoje, esta partilha tua toca-me especialmente... é como se um raio de luz resgatador me tivesse atingido! *-)

Tem sido difícil para mim fazer "escolhas de luz".. mesmo apesar de eu saber e ter consciência do que está em causa... mas parece que me deixo sempre vencer pela força de fugir aos receios das consequências ou ao próprio reflectir nelas, com os meus vícios e desperdícios.. =(
Sinto que um derradeiro momento na minha vida se aproxima e receio tanto não estar à altura de enfrentar o que está para vir..

E é aqui que o teu blog entra e parte tudo! ok pronto, o receio ainda cá está, mas agora a mágica sensibilidade também hehe! parece que quando mais preciso e quando menos espero, záz! o teu blog vem ter comigo e atinge-me que nem mil bênçãos em mil raios de luz =,,]

Um profundo, profundo obrigado, OLinda!
Agora vou tentar meditar um pouquinho. 'Gracias!
=,)

Sandra disse...

Oi Olinda, também fiquei emocionada com o seu texto, as vezes também fico com vontade de escutar uma palavrinhha de Jesus, mesmo sabendo que Ele está por perto o tempo todo.Este fim de semana passamos um susto com o Bruno, febre, dor de cabeça, etc e aí descompensa a glicemia e somos obrigados a esperar a evolução do quadro, mas desde ontem ele já não tem mais febre e está bem melhor. Mas fico assim com vontade de chorar toda hora.Saudades
Sandra

Olinda Cristina disse...

Carlinha!!!!! Afinal encontramo-nos mais depressa do que eu respondi a este comentário :))) Já te disse que adorei este encontro....Obrigada e mil bjs.

Olinda Cristina disse...

Diogo, sabes como como fico feliz com o teu processo e com tudo que me contas:))) Coragem, sempre. Obrigada pelas tuas partilhas, que me emocionam muito e um daqueles abraços muito apertados :))
Ah...e adorei esta forma de me tratares: OLinda. Foi a 1ª vez que escreveram o meu nome assim :) Aquela tal criatividade de que falamos ;) voilá.

Olinda Cristina disse...

Querida Sandra, vai-me dando notícias tuas e do Bruno que eu quero sempre saber. E torço sempre por vocês. Vais ver que tudo vai correr pelo melhor :)))) Mil bjs para vocês e abraço bem apertadinho.