sábado, 14 de janeiro de 2012

UM DIA NA MINHA VIDA...POR LISBOA

Fui acordada com um telefonema que me deixou muito triste e fui meditar para a praia. Lá, pude captar um momento de comunicação com Ele...acho que nunca pensei que isso fosse possível, que o que estava a fotografar estivesse sintonizado com o que estava a ouvir...




à vinda o sorriso da Agare que há dias se queixou de ter passado muito tempo sem me ver e que esteve para ir bater à porta da minha casa para me procurar.



Apanhei o comboio para Lisboa



com saída no Cais do Sodré





com passagem nesta padaria para tomar café.



Dirigi-me ao Quiron (Centro Português de Astrologia), para o meu encontro com a Maria Flávia de Monsaraz, e junto à Escola de Belas Artes, capto uma linda vista sobre a cidade.


Afinal o encontro não foi no Quiron mas na sua casa ao lado, embora more no Estoril. Fico encantada com toda a decoração e falo nisso. Em como tudo o que diz respeito à Maria Flávia revela um sentido estético impressionante, desde o próprio site do Quiron, até à gráfica dos seus livros, passando pela decoração dos seu espaços e pela forma como se veste. Responde-me que para além do sentido inato tem muito a ver com a sua formação em Belas Artes. Quando eu cheguei ela tinha acabado de dar uma entrevista para a SIC, a primeira depois de 7 anos sem ir à televisão.

Os momentos de conversa foram momentos de magia, pura. Um encontro marcante e inesquecível.

Saí sem destino e fui caminhando...parece-me que a melhor forma de conhecermos um lugar é a pé...mas já que estava perto do centro da cidade foi para lá que me dirigi.



Chego ao Chiado







e acontece-me algo chocante: uma senhora muito magra aborda-me para pedir dinheiro, dizendo que está desempregada há 7 meses e já não tem mais recursos para viver. Sei que pode não ser verdade. Mas também sei que pode ser. Enquanto procuro dinheiro na carteira digo-lhe que não tem do que se envergonhar mas que não tem que se entregar à bebida. Ela negou apesar do cheiro a álcool. A verdade é que eu não sei o que é faria se estivesse na situação dela, seja ela qual for, e sempre que sinto que alguem precisa de algum tipo de ajuda peço Luz para ela. Mesmo que não queira ou possa dar nada, posso sempre canalizar-lhe Luz.

E uns minutos depois estava eu numa caixa Multibanco e ouvi-a atrás de mim a fazer o mesmo pedido a umas senhoras de casacos de pele. A caixa multibanco tem um material que reflecte a imagem e eu estava a ver tudo o que se estava a passar. Não sei quanto dinheiro as senhoras lhe deram mas ela soltou uma exclamação de incredulidade enquanto elas se afastavam. O chocante foi que a vi erguer os olhos para o Céu, e a seguir ficou ali imobilizada a fazer uma oração. Fotografei o momento. E quando ela me viu começou a falar comigo a contar o que se tinha passado, sem saber que eu tinha visto tudo, mas eu não a ouvia, só a olhava com os olhos cheios de lágrimas comovida com a gratidão dela. Se calhar maior que a minha, que a julguei.



Sento-me na esplanada da Brasileira para almoçar enquanto assisto a um concerto de rua












e me entretenho a fotografar um grupo alternativo e os seus cães

ao mesmo tempo que ao meu lado outros grupos se entretêm a tirar fotos com Fernando Pessoa.







Parto para mais uma caminhada à descoberta e delicio-me com esta loja de discos, onde encontro muitos LP's iguais aos meus, e para variar, alguns de que nem me lembrava que tinha, como o do Sylvester. Também me surpreendo com vinis que não sabia que existiam, como os de Amy Whinehouse.
Percorro ruas do Bairro Alto onde só costumo ir à noite e encontro uma loja que adoro mas que só conhecia em Cascais.

Passo pelo Largo Camões, onde gosto sempre de passar,











e mais abaixo, na Rua do Alecrim, entro noutra loja que adoro, onde tudo é harmonioso e de extremo bom gosto, desde as flores naturais até aos melhores perfumes do mundo (todos custam mais de 100€) onde sempre que posso entro, e só experimentar os perfumes e falar com as simpatias que nos atendem (de repente estavamos aos abraços) já é fantástico. Já andei com os papelinhos onde se pôem os perfumes para cheirarmos, durantes meses na carteira, porque me deliciam. Deixaram-me fotografar as rosas, as mais bonitas e cheirosas que já vi, e contaram-me que o dono da loja é de Gondomar (apesar de conhecer a loja há tanto tempo não sabia, e por isso as filigranas que lá estão expostas - os corações portugueses) e que já ganhou o prémio de melhor jovem empresário. Fui agora à procura do nome da loja na net, porque não me lembrava, e encontrei este artigo na Time Out (http://timeout.sapo.pt/news.asp?id_news=1262), que descreve a loja exactamente como é, e mais: não é que no artigo dizem da loja, que primeiro "estranha-se e depois entranha-se", o tal slogan do Fernando Pessoa para a Coca-Cola, e não é que a seguir, por acaso fui beber uma Coca-Cola?!...


Aqui está: a última paragem para o lanche, antes do regresso a casa,







e c'est fini.

6 comentários:

Lurdes disse...

Fotos lindas!
Texto lindo!
Acabamos por entrar neste teu passeio e vivênciá-lo emocionalmente...
Que descrição tão perfeita e de coração.
Que histórias belas, grandiosas, pela simplicidade com que as narras e nos introduzes como se fossemos personagens reais. Aliás senti-me uma figurante, que assiste a um dia na tua vida... e nunca mais o esquece...
A foto com que abres este passeio, está um quadro de luz no céu. E eu aqui num mero computador a sentir a luz, e a energia...
Olinda Fica-se aqui a passear, a imaginar e viver na grandiosidade da tua luz.

Um bj gd
Lurdes Jóia

Anónimo disse...

Bonito este dia e sempre atenta e sensível !! Impressionante como tudo o que nos acontece "fala connosco". Na maior parte das vezes, andamos tão a correr que nos passa tudo ao lado! Obrigada pela partilha :-) Paula

Olinda Cristina disse...

Sabes Lurdes, que me esqueci de acrescentar no texto, que ao sair de casa para ir à praia encontrei a Raquel e que não sabia que ela trabalhava neste edifício aqui ao lado? Ainda bem que te sentiste a entrar neste passeio. Que bom saber isso. Quanto ao resto, para variar, exageras...lol...beijo enorme amiga!

Olinda Cristina disse...

Obrigada eu Paula :))) Bom tê-la por aqui. Bj grande. E já agora, por curiosidade, e uma vez que se identifica, posso perguntar-lhe se nos conhecemos?

Chalezinha disse...

Não é que fiquei com vontade de fazer um passeio similar?
Há muitas bênçãos todos os dias, temos que estar atentos ou pelo menos de coração aberto!
Soube-me como tudo ver uma prece de gratidão tão verdadeiramente sentida!
Beijo
Sandra Pereira

Olinda Cristina disse...

Sandra, acredito que não se vai arrepender se se decidir por um passeio destes. Lisboa é linda, linda...e tem tanto que ver! beijo grande Sandra, e fico á espera de lhe dar outro grande abraço.