terça-feira, 31 de dezembro de 2013

NOVO COMEÇO, NOVO ANO

Tenho a mesa posta para o jantar de fim de ano, com a minha mãe, o meu filho e a namorada.

Sentei-me em frente da lareira para escrever.

O meu último texto neste blog. Para começar um novo blog. Não contenho as lágrimas, não sabia que me ia custar tanto, apesar do entusiasmo com a concepção de um novo, que assim que estiver pronto será divulgado aqui. Por isso, na verdade, este não será o último texto porque ainda haverá outro, a comunicar o endereço do novo blog, assim que ele estiver pronto.

Este ano já fiz tantas mudanças, já terminei tanta coisa que não estava nada à espera que também tivesse que dar por terminado este espaço onde escrevo, que tem sido tão importante na minha vida.

Em Julho deixei de trabalhar em Lisboa e mudei-me para o Porto.

E no dia 20 deste mês deixei de trabalhar no Projecto.

Foram muitas as despedidas. Em Julho despedi-me dos meus companheiros da casa de Algés, a Lena e o Rui. E despedi-me dos meus companheiros de trabalho e dos pacientes de Lisboa.

Agora tive de me despedir de todos os pacientes. Ainda estou sob o efeito dessa despedida. A receber email e mensagens em resposta ao email que enviei através do Projecto, no passado dia 19, a despedir-me e a explicar porque o fazia.

Foi em Setembro comecei a sentir que grande mudanças se aproximavam e que iam ocorrer antes do fim do ano. Deduzi que iriam ser em Dezembro e descontraí. No dia 7 de Novembro, numa meditação que para mim seria semelhante a tantas outras ficou claro que era o dia de tomar a grande decisão. Encerrar um ciclo para poder começar outro. E assim fiz. Confiei porque sempre confio, por mais difícil que me seja arriscar tudo.

Mas se eu descobri o que é ser feliz, o que é ter paz, foi porque eu já arrisquei. Tudo.

Foram muitas as vezes em que arrisquei e arrisquei tudo. Eu, a pessoa mais dependente e apegada de todas. Mesmo quando o medo me tolhia. Mas acreditava cegamente que só me iria libertar desse medo quando o enfrentasse.

Até porque, para mim, medo é falta de fé. Se eu tenho fé, se eu acredito, se eu confio no que sinto, tenho medo de quê? Eu sei. Tenho medo porque tenho memórias. Muitas memórias inconscientes que me fazem confundir actualidade com passado. E as minhas memórias são vivas o que intensifica o desafio.

Por isso Jesus me lembrou, há semanas atrás, que o meu medo da crítica, da censura, vinha das minhas memórias de ser julgada e executada quando ousei assumir as minhas escolhas. E por causa dessa memória viva que me faz sentir a morte eminente só por ser criticada, ao longo desta torci-me toda só para não ser criticada e para não sentir o medo da morte. Fiz de tudo para ser aceite, para corresponder e não tive nunca a coragem de ser quem eu era. Foi quando comecei a enfrentar esse medo que comecei a ser eu.

"No teu caso, cada vez que fores criticada é um sinal de que estás no bom caminho. Porque antes não arriscarias a crítica e encolher-te-ias. Agora avanças, mesmo que isso vá contra tudo e contra todos. "

Sabe Ele com que custo, muitas vezes. E com que ganhos também. A liberdade, sobretudo. Que de todos os bens se tem mostrado um dos mais preciosos. FREEDOM. O segundo texto deste blog e o que o impulsionou.

Há dois dias também eu estava a fazer outra mediação, julgava eu, mais uma vez, que seria idêntica a tantas outras, quando percebi que ia escrever um texto no último dia do ano e que seria o último deste blog. Acho que foi das vezes em me percebi nítidamente a fazer resistência. Mas será mesmo preciso terminar, não se poderá fazer mudanças?

Não. Vais começar um novo, com uma energia nova.

E nesse momento, senti a presença de Sua Mãe, em mais uma das raras vezes em que me apareceu.E entregou-me uma flor, que me pareceu uma tulipa branca, dentro de uma espécie de tudo de ensaio.

Estranha e curiosamente, na manhã do dia seguinte, ao passar em frente à televisão vi que estava começar um programa sobre Istambul, Turquia, e parei o que estava a fazer para me sentar a ver. Particularmente interessada por me terem contado há pouco tempo, que a suposta última casa de Maria é lá, na Turquia, já visitada por alguns Papas, e por centenas de visitantes por dia. A certa altura, no programa, alguém estava a explicar que os azulejos da mesquita mais importante, tinham o desenho de uma tulipa...ligeiramente inclinada, porque simboliza a rendição às forças esuperiores...E que essa mesquita, apesar de muçulmana, tem numa das suas cúpulas a imagem de Maria, que entretanto foi disfarçada ou apagada, já não me lembro bem....porque fiquei de tal forma emocionada....que só pensava no que tinha acontecido na véspera...

E só agora que escrevo sobre a mesquita e a cúpula é que me lembro, e até contei a uma amiga logo a seguir à meditação, que a entrega da flor aconteceu num ambiente onde a sacralidade da energia, completamnete branca, me fez sentir que estava numa espécie de templo ou catedral circular.

E por falar em catedral, agora vejo como tudo está ligado...Na véspera de Natal, ainda de madrugada, acordei com o imenso barulho de uma tempestade e tive a sensação de que a casa ia pelos ares. Não foi a casa mas foi parte do telhado. E às sete horas da manhã andava eu no sotão, a gatinhar por debaixo das vigas, ensopada em água, a tentar colocar plásticos para a chuva deixar de entrar e a tentar escoar toda a água que já tinha entrada e caía pelo candeeiro do quarto da minha mãe. Eu que tinha medo de ir ao sotão, andava por ali a rastejar, já sem medo nenhum.

Entretanto chegaram a Lila e o Mário, que são dois anjos na nossa vida, e me ajudaram a limpar tudo e a forrar com plásticos, para dois dias depois voltarmos a escoar água e mais água e colocar placas no lugar das telhas para remediar.

Em todo o processo, surpreendeu-me a reacção da minha mãe que só dizia que estava muito grata porque eram só telhas e havia muita gente que nas tempestades perdia a casa.

E eu estava tão concentrada em tentar perceber o significado do que estava a acontecer, que só descontraí quando me dei conta que não tinha que perceber nada. Apenas aceitar o desconforto e que se estava a acontecer é porque eu e todos cá em precisavamos que acontecesse. Mais do que nunca senti-me sintonizada com todos os que estavam sem tecto e com frio. E isso tornou o meu Natal diferente. `

Nessa noite tudo era já paz e harmonia. Mas a cada momento me lembrava de todas os que estavam em situação menos confortável e me sentia solidária. Já na tarde de Natal, senti-me verdadeiramente abençoada, num momento em que o meu irmão, o melhor irmão do mundo, se sentou no sofá entre mim e a minha mãe, e ficou abraçado a mim, com o filho dele ao colo, a ver Música no Coração. Desde pequenina que não via, embora a televisão esteja sempre a repetir, nunca tive vontade, até agora. E foi mágico voltarmos a ver juntos, abraçados, quando foi juntos que tinhamos visto pela primeira e última vez há tantos e tantos anos atrás.

Mas agora desviei-me do assunto. Porque comecei a contar isto a propósito de catedral. Dois dias depois do Natal, já a Lila estava com gripe e eu afónica, por causa de nos termos encharcado a consertar o telhado, lá estava eu a fazer meditação, quando me foi explicado o porquê do que aconteceu ao telhado. Que era o único espaço da casa que faltava ser limpo física e energéticamente, por causa de eu ter medo de lá ir. E que assim tive mesmo que ir e limpar, de todas as maneiras, e além de todas as outras experiência e lições inerentes, agora eu tinha a "minha catedral" pronta. E disseram-me que esta casa, de tão tratada, tem a energia de uma catedral.

E chorei, chorei, chorei de comoção, até me cansar e adormecer...

E é daqui, deste lugar, onde me sinto em paz, que envio o meu abraço mais sentido e a minha gratidão a todos os que me visitaram aqui, me acompanharam e me deram alento. Sou e serei eternamente grata. Nada é permanente. E nesta mutabilidade que nos impulsiona a crescer e amadurecer, poderemos iniciar juntos o novo ano e as novos ciclos, sempre partilhando as novas experiências.

OBRIGADA E BOM ANO NOVO!!!!!!

Ahh, e há poucos instantes, antes de começar a escrever este texto, por acaso (sei que não há acasos mas gosto da expressão) encontrei este vídeo que tem a energia dos votos que faço para todos nós. Um vida em festa, que vibre pela alegria, entusiasmo e comunhão entre todos nós. Felizes por estarmos juntos! E gratos por tudo o que temos!

13 comentários:

Sílvia disse...

Olá princesa :)

Fiquei tão feliz quando abri o blog e vi este texto! Vais ter um blogue novo, que entusiasmante :))) eu já sei como é bom sentir isto, a mudança, o entusiasmo, a inspiração, às vezes parece um sonho. E eu que ainda só senti um cheirinho de nada.
Vou ficar à espera do blog agora estou curiosa. Tu ajudas-me a acreditar sempre mais e mais :).
Um Bom Ano para ti e para a tua família, e espero estar contigo em breve no Porto, há lá uns sítios altamente para tomarmos um café ou um chocolate quente, mas pode ficar ao teu critério uma vez que tu conheces melhor os ambientes por lá...lol

Um abraço apertado amiga :) fica bem

Lurdes JC disse...

Sempre fui uma fã incondicional deste teu blogue, e do que escreves. A determinada altura da minha vida sentia um impulso incrível para visitar este teu cantinho. No entanto com o trabalho, novos acontecimentos na minha vida levaram a que nao tivesse tanta disponibilidade para o visitar. Hoje nao sei porquê passei por aqui no novo ano e pronto... Encontro uma nova energia, uma renovaçao e uma novidade, a tua mudança de vida. Estou feliz por ti... Quando os amigos seguem o seu caminho e recebem os frutos da sua fé e entrega... Nós ficamos felizes, e sinto me feliz por ti. Aprendi muito e respeito imenso tudo o vivenciei com amigos e amigas que ganhei através de um processo espiritual, entre as quais estavas tu. Sabes que foi um dos percursos mais importantes na minha vida e na minha evolução como alma. Agradeço te Jesus por me teres dado tantas alegrias e me teres dado uma grande dádiva, abraçar a Olinda Cris ( vedeta, reporter, etc) e por me teres dado a oportunidade de ser a gestora de tantas fãs... Por tudo isto amiga e muito mais, só me resta agradecer te do fundo do coração... Feliz ano novo e vida nova e blogue novo... Bj Gd Lurdes jóia

Miguel Amaral disse...

Uma bela energia contagiante, um grande beijinho querida Cris, Feliz 2014 <3

Anónimo disse...

Sinto uma enorme gratidão em ter conhecido o teu blog e ter-te conhecido também. Com os teus textos, fizeste-me rir e dançar. Chorei a cada vez que tocavas no meu coração, sentido-o a abrir mais e mais, de todas as vezes que me emocionava com as tuas palavras.

Desejo-te muita Luz para o teu novo blog e acredita que terás uma companheira fiel nessa tua nova etapa.


Feliz Ano Novo

Beijinhos de Luz

Rosa Codeço Fernandes disse...

Olá Olindinha :)
Sabemos que os novos ciclos fazem parte do ciclo que é a vida mas mesmo assim, por vezes, ainda os tememos como se fossem algo fora do nosso caminho. Só que quando temos FÉ acabamos por encará-los de uma forma mais calma, aceitando-os, pois sabemos que o céu dá-nos aquilo que precisamos para evoluir. De resto subscrevo o que foi dito nos comentários anteriores, adoro este teu blog, revejo-me em tanto daquilo que escreves e claro que vou adorar o novo.
Desejo-te um Ano Novo cheio de LUZ e só posso dizer que sinto-me cheia de GRATIDÃO por te ter conhecido e por fazeres parte da minha vida. Beijinhos e um grande abraço, fica em LUZ

Maria da Graça Pereira disse...

Olá Olinda

Obrigada pelos belíssimos textos que foste publicando... repletos de tanta entrega, emoção e energia de Luz. Foram momentos de pura alquimia...
É, pois, com o coração a transbordar de gratidão, que te agradeço tudo quanto me ensinaste com o teu exemplo de coragem e de Fé. É um privilégio conhecer pessoas como tu!
Irei continuar a ser uma leitora assídua do teu novo blog ... fico a aguardar.

Muita LUz para este novo ano / ciclo / blog .

Abraço apertado.
Maria da Graça

Isabel Pereira disse...

Obrigada, Olinda, por este blog, em que encontrei tanta inspiração e ensinamentos.
Vou ficar atenta ao novo blog e tenho a certeza que a qualidade se vai manter ou ainda melhor.
Abraço-a com muito carinho e profunda gratidão

Isabel

Carlinha disse...

Olinda,

Tive que ler duas vezes o teu texto, para ver se tinha percebido bem...

Deixaste o projecto?! Vais deixar este blog?!

Desculpa, mas não consigo evitar este aperto que sinto no peito, como se eu própria estivesse a perder alguma coisa...

Estou triste, a sério que estou...não é por mal - acredita - mas fui tão feliz aqui...

Os teus textos foram sendo uma inspiração...e o teu trabalho no Projecto, quer queiras, quer não, fazia-me sentir mais próxima do Céu...como se tu fosses uma espécie de escada para lá chegar...

Chorei e ri contigo, como se o peso do mundo fosse todo meu e a alegria não coubesse no meu coração...

Agora sou eu que tenho de desapegar (tens a certeza que eras a mais apegada de todas??) e ainda por cima, começar a fazê-lo sozinha...

Bem sei que as mudanças fazem parte da vida e que são importantes para o nosso crescimento, mas olha neste momento nem consigo pensar muito nisso...

Vou ali fazer o "luto"...e volto quando tiver terminado...quero entrar no novo blog com uma nova energia e quero poder "olhar-te" e "sentir-te" sem este aperto no coração...

Beijinho,
Carlinha


Anónimo disse...

olá :)
gosto sempre da parte de nos compararmos :) "Eu, a pessoa mais dependente e apegada de todas."

qd li à alguns dias senti como que o projecto fosse uma família que vê nascer as suas crias e um dia as vê ir para o mundo :)

depois pensei em ti como nas viagem de Guliver :) e com um bocadinho de sorte o meu pouso estará um dia no teu caminho que tenho saudades de te abraçar na matéria:)

hoje quando vim escrever o que tinha sentido, e reli, fiquei com um sorriso doce no coração :) ao saber que neste momento tudo e todos estão em plena ebulição de mudança, e mudança é vida :)

te amo princesa :) voa e voa e sê feliz

Maria

Lu disse...

Minha Querida Olinda,
adoro ler tudo o que escreves, assim como te segui neste blog serei uma seguidora do proximo.
As tuas palavras, os teus textos aquecem o coração, fazem-nos chegar mais rápido ao céu.
Querida Olinda admiro-te muito obrigada pelas vezes que pude estar junto de ti em Lisboa e que tive o prazer de te abraçar e te ver sorrir, obrigada e que sejas muito FELIZ.
Será que é desta que vais escrever um Livro?
Fico á espera do novo blog.
Mil beijinhos e xi-coração apertado
Luisa Malhoa

Lu disse...

Feliz Ano Novo 2014.
Bjos
Luisa M

Olinda Cristina disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Olinda Cristina disse...

Não sei que voltas dei mas não consegui publicar o meu último comentário a este texto e quando voltei a tentar removi-o sem querer :) Espero que agora vá funcionar, então é assim:

Meus queridos Sílvia, Miguel, "Anónima", Rosa, Graça,Isabel, Carlinha, Maria e Luísa, MUITO OBRIGADA pela vossa presença aqui e pelo apoio que me deram, que tanto me motivou na escrita, e que eu sempre agradecerei e nunca esquecerei! Tornaram a minha vida muito mais rica :))
The "last, but not the least" um agradecimento especial à minha amiga Lurdes Jóia , pelo papel determinante no impulso deste blog, pelo seu apoio ao longo do tempo, e pela amizade que nos liga.
Estão todos no meu coração e abraço-vos com ternura e gratidão!
Até já, amigos!