segunda-feira, 5 de setembro de 2011

ESCALADA DE FELICIDADE E A SERRA DA ARRÁBIDA.



Ainda ontem contei de como estes últimos 3 dias foram de felicidade. E não podia imaginar que o dia de hoje me reservava um surpreendente e inesperado estado de ainda maior felicidade...

O dia passado na Serra da Arrábida foi mágico. Por tudo, e também por toda a sua envolvência. A Vida pode mesmo presentar-nos com aquilo que menos esperamos...

E para além de tudo o resto, naquele lugar senti a energia de sagrado. Fortíssima. E ao ler a frase do Frei Martinho afixada junto ao convento da Arrábida em que dizia "Se não estou no Céu, estou nos seus arrabaldes", eu senti que estava mesmo no Céu, e que o Céu estava mesmo comigo.

Curioso que o dia de hoje tenha vindo na sequência da meditação que ontem fiz na praia, que foi lindíssima. E curioso que o que tenha surgido nessa meditação tenha sido na sequência de uma conversa que tive com uma amiga na véspera, ao jantar.

Estes dias foram como que uma consequência de momentos muito difíceis vividos recentemente. E das férias cá dentro. Escrevo isto porque é importante que se saiba que quando aceitamos passar pelas nossas tristezas, fazer os nossos lutos, quando aceitamos fazer e passar pelo que a Vida nos propõe, a compensação vem a seguir.

A vida é cíclica. E feita de ciclos de fragilidades. A tal montanha russa. Depois da tristeza há-de vir a alegria. Vem sempre. Assim como depois desta alegria há-de vir outra vez a tristeza. Vem sempre.

E não esperar que a vida seja diferente disto faz parte da sabedoria de aprender a viver. E do estado de paz.

Por isso, não espero que este estado se mantenha. Nem pode. Senão talvez voltasse a tentar ser forte. Talvez voltasse a tentar ser resistente. E não ficava frágil. E não ficava sensível. E não vivia conectada.

Mas apesar da fragilidade, estes dias energizaram-me. Carregaram-me as baterias. E quando der outro trambolhão espero estar por isso mais pacificada. Com mais capacidade de aceitação.

Um dia lá em cima. Outro dia lá em baixo. Assim é a vida. E dou Graças, muitas Graças por isso. Obrigada a Jesus. Obrigada ao Céu. Obrigada a todos que me ajudam a viver. E que são muitos.




3 comentários:

Lurdes disse...

Que Lindo!
Já não vou há uns anos para este espaço sagrado...
Fiquei com vontade de lá voltar... Para reviver de novo a sensação do céu...
Energizamos muito mais quando fragilizamos, e bloqueamos quando resistimos... Obrigada amiga por nos dares esta tua vivência, esta experiência, para tomarmos esta consciência.
Um bj

Pedro Quitério disse...

Engraçada esta forma de ver e sentir a vida....
E é assim mesmo, estou de acordo.
Estive a passada semana em Itália e a vida mostrou-me também que temos de estar a todo o momento a agradecer o que o Céu nos dá e mostra...
Como a última Mensagem de Luz - "Parar"
Definitivamente sinto e estou convencido de que a tal Força está presente neste texto e com a sua autora...a caminho do livro.
Beijinho
PQ

Olinda Cristina disse...

Descobri um paraíso. Na altura fiquei a pensar na sorte de quem por ali vive ou pelos manos passa férias, e esta semana conheci uma pessoa que teve lá uma quinta quase a vida toda. Sempre fez por ali férias. Por acaso uma pessoa da minha idade e com uma vida que daria um belo texto. Muito obrigada Lurdes e Pedro por me acompanharem nestas viagens. Grande, grande, abraço para os dois.