terça-feira, 3 de janeiro de 2012

PARTIDA AO MEIO

Viver entre dois mundos. Faz-me sentir partida ao meio. Quando venho de Rebordosa para Oeiras. E quando vou de Oeiras para Rebordosa.

Depois destes dias tão próxima do meu filho...(que está mais meigo de que nunca). tão próxima da minha mãe... Anteontem comecei a sentir aquela sensação que tinha em miúda ao Domingo à noite - a véspera de ir para a escola: um desconforto. Por mais que saiba que depois de chegar a Oeiras fico bem, custa-me sempre muito a despedida.

Chego cá. De volta à minha salinha...ao meu jardim...à minha praia...era noite, não a vi, mas senti-a. Que bom...O meu McDonalds. A desgraça. Não resisti e fui lá buscar um hamburguer. Sou a rainha das gaffes. Então no McDonalds já tenho umas poucas. Ontem, mais uma: o rapazinho que me atende está afónico, começa a falar normalmente mas a voz vai subindo e afunilando, fica num fio e depois perde-a; acontece isto a cada frase e eu começo a rir-me...

Volto para casa pela minha ruinha linda, já bem disposta.

Ao chegar à porta reparo melhor na bota que lá tenho pendurada.



A minha senhoria fê-la para mim. Disse-me que fez com as cores que acha que têm a ver comigo. Achei encantador. Adoro quando me oferecem coisas que foram feitas pelos próprios a pensar em mim. Fico sempre enternecida. Percebo sempre que me conhecem minimamente. E curiosamente têm muitas vezes em comum a côr lilás. Como o colar que a Eugénia me ofereceu há dias. Como este quadro da Isabel Luz, que por acaso me telefonou quando eu vinha a caminho.



E como este quadro que a minha Tia Olga também fez para mim, quando estava a estudar pintura:



Tanto miminho. Deixei o mimo do meu filho, da minha mãe, para voltar a este lugar aonde me sinto também muito acarinhada. De volta aos meus amigos daqui. Ao meu trabalho. Para ter umas coisas tenho que deixar outras...

Não me devia custar deixar Rebordosa. E não custa. Mas custa deixar as pessoas. Ainda hoje tive uma grande lição sobre as pessoas de Rebordosa. De quem não falei muito favoravelmente num dos ultimos textos. Mas para ser verdadeira tive que dizer o que disse. Embora haja há lá muitas pessoas de quem gosto, como também disse. Muitas mesmo.

E então, ontem passei com o meu filho num café, muito pequeno, que eu frequentei nos anos em que tive escritório em frente, há muitos anos (já devo ter saído de lá há uns 10 anos - então naquele café é que eu cometi gaffes...saía sem pagar, depois queria pagar outra vez já depois de ter pago, saía sem esperar pelo troco, saía sem tomar o café, pedia um café depois de ter acabado de o tomar...enfim, meu Deus). E a dona do café de quem eu sempre gostei muito, e que tem uma família que por acaso para mim era uma espécie de modelo, ontem quando já nos estavamos a despedir, disse-me que eu era um sol. Que tinha uma luz que iluminava. E que lá em Rebordosa precisavam muito da minha luz. Que eu fazia muita falta. Eu fiquei calada, emocionada, a olhar para ela...Nunca em todos os anos que a conheci me tinha dito nada de parecido, embora sempre tivesse expressado a amizade que tinha por mim. Até porque é uma pessoa muito reservada.

Senti-me quase envergonhada. Senti como se a senhora fosse uma representante de Rebordosa. E como se Rebordosa me estivesse a dar uma lição. Depois do que eu aqui escrevi, Rebordosa estava a ser mais compassiva comigo do que eu com Rebordosa.

Hoje de manhã já fui à praia. Dar o bom dia. Fiquei a olhar o mar que estava mais bonito do que nunca. As ondas com espuma muito branca. Grandes. Uma veio muito maior do que as outras e tive que correr a fugir dela e a rir. Parecia que o mar estava a falar comigo...O mar, tão abundante...e as ondas...que se fazem sem esforço de ninguém...assim é a Vida. E eu entrego-me à Vida e ao seu movimento.

E deixo aqui este vídeo, porque esta música, este poema, foram, sem dúvida, dos que mais marcaram o meu ano:

1 comentário:

Lurdes disse...

Partida ao meio e sempre com tanto para nos contares. Na verdade como é bom partilhares duas realidades fora as outras todas...
A tua praia realmente já chamava por ti...ouvi em Cascais. Lol
Bj Gd
Lurdes Jóia